Navegue
por categorias

Sete dicas para começar a usar a bicicleta como meio de transporte

Quantas vezes você já se perguntou se seria mais prático, fácil e prazeroso usar a bicicleta no dia a dia ao invés do transporte público ou do seu próprio carro? A bicicleta é uma alternativa interessante, econômica, rápida e ainda traz benefícios para a saúde, como melhora da frequência cardíaca e redução do colesterol. Se você está pensando em adotá-la como meio de transporte, é importante ter atenção a uma série de fatores levantados pelo Wagner Cardoso, do canal Ciclovivendo no Youtube, que traz vídeos sobre cicloviagens e matérias sobre bike:

- Check up

Realize uma avaliação médica antes de iniciar a atividade. É importante procurar um médico para saber se está tudo certo e evitar possíveis lesões ou até algo mais grave.


- Descubra qual a melhor bicicleta para você

Para grandes cidades, Wagner recomenda as bicicletas com bastante marcha e com estilo de quadro "Confort". “Essas bikes geralmente tem suspensão dianteira para aliviar os impactos de buracos no guidão e braços. A postura em cima da bicicleta é mais ereta, aliviando a nossa coluna. Os pneus geralmente são semi-lisos com cravos para ter aderência tanto em piso seco como em piso molhado, o diâmetro das rodas geralmente é maior, facilitando a pedalada com menos esforço e mais rodagem”, explica Cardoso.

O ideal é procurar uma bicicletaria para fazer uma avaliação no “bike fit”, que é ajustar a bicicleta de acordo com estatura, perfil e forma de pedalar (regulagem de banco, guidão e suporte de guidão).


- Dever de cidadão

Procure se informar sobre as obrigações, direitos e deveres do ciclista. Isso é muito importante para garantir a segurança de todos no trânsito. Por exemplo, é dever do ciclista usar equipamentos de segurança obrigatórios, como campainha, sinalização noturna e espelho retrovisor do lado esquerdo. Já o item mais básico do direito do ciclista é ter prioridade sobre veículos maiores e que possuem motor.


- Estudo

Se for iniciante, evite utilizar ciclovias definitivas durante a semana, pois em alguns locais ela tem apenas uma distância mínima de 1,5m de distância dos carros. Se sofrer alguma queda, corre-se o risco de ser atropelado. Também evite vias onde não há ciclovias. Pratique antes de utilizar essas vias diariamente. “Estude as formas de sinalização e treine bastante para adquirir independência em cima da bicicleta, assim você consegue sinalizar e continuar pedalando sem correr o risco de cair”, completa Cardoso.

Procure participar de grupos de pedal criados pelas bicicletarias, assim é possível conhecer mais pessoas e adquirir conhecimento sobre o universo da bike. “Outra coisa muito importante é estudar e planejar sempre a sua rota antes de sair de casa”, acrescenta Cardoso.


- Segurança

Os equipamentos mais importantes são: capacete, luvas, óculos (escuros ou não), lanternas traseiras e dianteiras, espelho retrovisor e roupa de ciclismo adequada e de cor clara. E, claro, atenção redobrada.


- Mochilas e roupas

As mochilas de até 25 litros são as ideais, de preferência as mochilas de "ataque", que são mochilas com muitos bolsos e que geralmente tem lugar para guardar o capacete. Esses produtos têm diversos fabricantes e preços. Muitas têm espaço direcionado para o reservatório de água de até 2 litros. Os preços variam entre 150 e 650 reais.

Quem está preocupado com as roupas que podem amassar na mochila, a dica de Cardoso é apostar em roupas com mistura de poliéster e algodão. “Se puder usar apenas roupas de algodão, recomendo enrolar peça por peça separado ao invés de dobrar. Quando chegar ao seu destino, será necessário dar uma leve passada com a própria mão. Se você usar camisa social, recomendo ter paciência, pois sua camisa chegará amassada. Se for mulher e usar vestido, recomendo dobrá-lo de uma forma que seja adequada ao seu desenho e guardar sempre por último em sua bagagem”, explica Cardoso.


- Como se salvar de perrengues

Algumas ferramentas podem ajudar a escapar de situações desagradáveis com a bicicleta, como um pneu furado ou uma corrente que escapa. Com essa lista você consegue se virar muito bem: chave de corrente, pedaço de corrente ou link de corrente, arruelas (muitas), canivete-chave (kit de chaves em forma de canivete), estilete, kit remendo para pneus ou 01 câmara reserva, lanterna (para situações em local escuro), bomba de ar (de preferência as manuais), chave de roda (para poder tirar o pneu do aro), chave de raio, 01 par de raios (fixados no quadro com presilhas ou até mesmo fita adesiva), 01 alicate pequeno e de bico fino, parafusos reserva de algumas partes da bike como freios, 01 fita adesiva tipo silver tape. Capa de chuva também é fundamental, principalmente no verão.


Vai lá

Em grandes cidades tem surgido bicicletários cada vez mais completos. É o caso do bicicletário municipal do Largo da Batata, em Pinheiros.  Eles funcionam 24 horas, possuem zeladoria (funcionários em dedicação exclusiva ao bicicletário) e dispõem de travas próprias. Para utilizar esses bicicletários é só fazer um cadastro levando um documento original com foto e o CPF. Neles é possível encontrar serviços úteis como bombas de ar, ferramentas para pequenos reparos, sanitário e água. Existem também os "Bike-cafés" que possuem vestiários, estacionamento, mecânica e até mesmo um lava-rápido para bikes, além da loja e seus produtos de consumo.

Para conhecer mais sobre os direitos e deveres dos ciclistas, consulte esse site: http://vadebike.org/2004/08/o-que-o-codigo-de/