Navegue
por categorias

Volcano boarding: velocidade, poeira e muita adrenalina para turistas na Nicarágua

Já pensou descer ladeira abaixo a 80 km/h sobre um vulcão ativo? Na Nicarágua, país da América Central, isso é possível! O Volcano Boarding é uma das principais atrações do turismo da cidade de Leon. A proposta desse esporte radical, que pode ser feito por qualquer interessado em boas condições físicas, é sentar sobre uma prancha de madeira compensada, similar a um trenó e pegar impulso por uma encosta de 728 metros do vulcão ativo Cerro Negro. Adrenalina pura vivida por Thais Gonçalves e Rafael Lamounier, autores do blog Noivos na Estrada.

Oferecida por agências de turismo local, a atividade sobre o vulcão mais jovem e ativo da América Central, com formação datada em 1850 e 23 erupções registradas, começa logo cedo com a partida de um grupo de aventureiros por aproximadamente 40 minutos de estrada até o pé do vulcão. Desse ponto, há uma caminhada entre rochas até o cume para a descida. “Fazer trekking em um vulcão costuma ser cansativo e fica ainda mais difícil carregando a prancha e os equipamentos pesados debaixo do sol forte”, comenta o casal sobre o condicionamento físico necessário para esse trecho do passeio.

O casal também conta que a empresa fornece macacão de mangas longas, óculos de proteção e luvas, e pede para que cada um leve uma bandana para cobrir o rosto da poeira. Nos pés é recomendado usar bota de trilha ou tênis resistente para dar sustentação na subida pelo solo irregular e aguentar a trepidação com velocidade na descida, já que a pisada também funciona como freio da prancha.

No topo, é tomar fôlego e descer! Além da coragem, o maior desafio da descida é a coordenação para controlar a velocidade com os pés e se manter equilibrado na prancha, lembra o casal. “Estar ali, praticando um esporte tão pouco conhecido num lugar com uma paisagem única já traz uma satisfação enorme. Na hora de descer, vem uma super adrenalina. E, no fim, você olha pro topo e não acredita que desceu aquilo tudo tão rápido. Pra quem não está acostumado com esportes radicais como a gente, bate um certo orgulho de ter conseguido”, acrescentam.

Aos mais animados, a experiência pode ser repetida pela segunda vez no mesmo passeio. Basta enfrentar mais uma caminhada até o topo e coragem para descer. “Em sete meses viajando pelo mundo, já fizemos várias coisas legais, mas o volcano boarding continua liderando as aventuras!”, concluem os recém-casados.

Vai lá

O monitoramento das atividades do Cerro Negro não é muito esclarecido pelas agências que validam a possibilidade do esporte. É informado apenas que o vapor que ele solta, em pequenas quantidades, libera sua pressão e é sinal de um bom comportamento de vulcão ativo.

A atração custa em torno de 30 dólares, incluindo transporte, guias, equipamentos, entrada no parque, água e lanche. 

Entre as opções de agências para fazer o volcano boarding, o casal escolheu a Quetzaltrekkers León, ONG que arrecada o valor integral pago para os projetos locais que assistem crianças em situações de risco.